terça-feira, 8 de outubro de 2013

O COYOTE - A Revistinha das décadas de 60-70


O Coyote:
Postagem especial em homenagem a meu grande amigo ACHILES DE CASTRO MACIEL e outros amantes da boa leitura.
 
O herói emblemático das pulp fiction que fez história na Editora Monterrey 


http://3.bp.blogspot.com/-MNwmPjWm430/TuAEosgdN0I/AAAAAAAAAcs/rapDBmB6UIA/s640/El+Coyote+abertura.jpg




Após escrever um post sobre a estonteante Brigitte Montford, a famosa agente da CIA que atende pelo codinome de “Baby”, é evidente que não poderia esquecer de um outro personagem emblemático da outrora famosa e hoje saudosa Editora Monterrey. Estou me referindo ao “Coyote”, o justiceiro mascarado criado pelo escritor espanhol José Mallorqui.

Posso assegurar que tanto Brigitte Montford quanto o Coyote foram os grandes responsáveis pelo sucesso editorial da Monterrey, dando aos seus criadores, respectivamente, Lou Carrigan e José Mallorqui o status de grandes estrelas, responsáveis pelo sucesso de vendas da editora. Tudo bem que a Monterrey também publicava outros gêneros de livros de bolso; lembro-me da série FBI e de outros livros de faroeste onde choviam balas prá todo lado, mas essas publicações exerciam apenas o papel de coadjuvantes, já que os grandes astros, sem dúvida alguma, eram o Sr. Coyote e a espiã, filha de Gisele.

Mas como o assunto do post é o nosso bandoleiro hispânico, vamos esquecer Brigitte Montfor – que já teve um post todinho seu – e se concentrar nesse personagem de bigode, roupa negra ao estilo mexicano, com um sombrero, duas pistolas e uma máscara que lhe cobria a metade superior do rosto.

O Coyote pode ser considerado o pai dos livros de bolso no país, já que tudo começou com ele em meados dos anos 50. Em 1956, logo após a sua fundação, a Monterrey lançaria o formato no Brasil tendo como protagonista o justiceiro mascarado. Brigitte Montford só apareceria anos depois. Por isso, o Coyote foi o grande desbravador do gênero livro de bolso aqui na terrinha.

Tudo começou quando os donos da editora Monterrey descobriram que o novo formato estava fazendo o maior sucesso na Espanha, e assim, resolveram fazer uma experiência e introduzi-lo também no Brasil. De quebra, os espertalhões (no bom sentido, é claro) da Monterrey também ficaram sabendo que um herói parecido com o
http://1.bp.blogspot.com/-6ObOf-dfpTc/TuAHQCqgH6I/AAAAAAAAAc0/zkIodTJUR_c/s320/A+Chegada+do+Coyote.jpg


 Zorro estava alavancando milhares e milhares de vendas de uma editora espanhola chamada “Edições Cliper”, situada em Barcelona. O herói mascarado era um fenômeno de vendas por lá. A Monterrey não dormiu no ponto e comprou os direitos de publicação no Brasil, relançando em terras tupiniquins o emblemático herói mascarado. Com isso, a editora, recentemente inaugurada, teria dois trunfos na mão: seria a pioneira no lançamento dos livros de bolso por aqui e teria um personagem que poderia virar uma febre nacional. Não demoraram nem um minuto sequer e “soltaram” as novidades no país. O sucesso foi imediato e acabou estimulando outras editoras concorrentes, como a Bruguera e Tecnoprint, a lançarem, também, o novo formato de livros. Enquanto isso, “O Coyote” repetia no Brasil o mesmo sucesso que havia conseguido na Espanha.

Apesar das histórias do Coyote terem sido lançadas no Brasil entre o final da década de 50 e início dos anos 60, a sua origem ainda é mais remota. Vem lá da década de 40! Mallorqui escreveu a primeira história do justiceiro mascarado em 1944 (“A Chegada do Coyote”), o personagem fez tanto sucesso entre os leitores, que Mallorqui resolveu transformar a sua história – que a princípio deveria caber em apenas um lívro, e Zefini – em uma série. Resultado: o autor espanhol acabou escrevendo 192 títulos até 1953. Dessa forma, ele conviveu com o personagem durante nove anos. E neste período, por quase uma década,  o Coyote nunca cansou os leitores com as suas aventuras, provando que já havia se transformado num verdadeiro ícone da pulp fiction.

http://4.bp.blogspot.com/-BHcAFp9coFw/TuAIMyLN5ZI/AAAAAAAAAdE/H3SHJ62hp_M/s400/mallorq.jpg
Escritor José Mallorqui em sua biblioteca


Confesso que na minha adolescencia fui um dos grande fãs do Coyote e me arrependo de ter perdido através dos tempos a minha coleção de livros com as histórias do personagem. Lembro-me de que enquanto o meu irmão mais novo tinha o hábito de trocar as histórias que já havia lido, eu fazia questão de guardar numa caixa todos os meus livros de bolso. Por falar nisso, tinha duas caixas em meu quarto: uma para os livrinhos da Brigitte Montford e outra para o Coyote. Para mim não importava a baixa qualidade do material interno, ou seja, as páginas de papel jornal, o que valia para mim eram as histórias emocionantes e principalmente... bem... Ok, vou confessar: as capas... A arte das capas eram de primeira, verdeiras obras primas e estimulavam a leitura. Acredito que se aqueles livrinhos feitos com um papel vagabundo, de péssima qualidade tivessem capas simplórias e sem nenhum atrativo, ninguém iria se interessar pelas suas histórias e então, com certeza seria a falência certa da Monterrey e também da Clíper.

Para você que era um leitor ávido das histórias do Senhor Coyote, mas não se recorda muito bem da origem do personagem e do enredo central da trama, vamos lá. Dom César de Echagüe, filho homónimo de um rico fazendeiro californiano, regressa a suas terras em 1851, recentemente incorporada aos Estados Unidos. A novela retrata uma Califórnia habitada por uma próspera sociedade hispana  mas recém conquistada pelos invasores yanquis, que tratam de se apoderar por todos os meios das minas de ouro que os californianos lhes ocultam. César de Echagüe é desprezado por todos na Califórnia que acreditam ser ele covarde e afeminado. O rapaz é depreciado até mesmo pela sua noiva Leonor de Acevedo e pelo próprio pai, Dom César. Eles não sabem que o jovem César – tido como covarde e afeminado – na realidade, leva uma dupla vida como O Coyote, um justiceiro mascarado que luta pelos direitos dos hispanos. 
http://4.bp.blogspot.com/-VvaDac9vtqk/TuAIvbbNVWI/AAAAAAAAAdM/zRuKN2hkWC0/s320/Mallorqui%252C_Jose_-_EC001_-_El_Coyote.jpg
O principal inimigo do herói mascarado é o general Clarke, o tirano conquistador da Califórnia que procura tirar as propriedades dos californianos à força, utilizando, inclusive, táticas mafiosas. Como as terras do pai e dos familiares da noiva de Cesar são as maiores e as mais ricas do país, o general Clarke torna-se obcecado em tomá-las dos seus donos. Para isso, ele é capaz de tudo, desde contratar perigosos pistoleiros até preparar armadilhas ardilosas com o objetivo de destruir Dom César e Leonor.

Este enredo central foi responsável pelas 192 histórias do Coyote que ao longo de quase uma década trocou chumbo com vários capangas de Clarke e também com o próprio general. Emoção, traição, amor, enfim, uma miscelania de sentimentos recheou as histórias dos 192 livros escritos por Mallorqui, mas com certeza, o momento mais marcante foi quando Leonor descobriu a identidade secreta de César. Quando soube que o supostamente covarde e afeminado rapaz era na realidade o temido Coyote, a sua paixão se transformou num rio de lava incandescente resultando em casamento. Futuramente, Leonor viria a falecer no momento em que daria a luz ao primogênito de César, que por sua vez, afogaria a tristeza nos braços de um novo amor: Guadalupe Martinez.

Outro momento marcante na saga do “bandolero” foi o dia em que após ter desmascarado o general Clarke, teve de exilar-se do país para escapar com vida. Me lembro vagamente dessa história, foi uma das minhas favoritas. O Coyote, espertamente, se passou por morto e depois voltou para se vingar. Acho que foi depois disso que Leonor descobriu o seu alter-ego, vindo a se casar com ele.
E então? Deu pra matar um pouco de saudades do enredo do personagem? Espero que sim.
José Mallorqui criou o Coyote inspirado em um outro mito: o Zorro, de Johnson Mc Culley. O próprio Mallorqui afirmou que bebeu na fonte de  Mc Culley para criar o seu personagem hispânico. Se por um lado, o Zorro tem o costume de castigar os seus oponentes, fazendo um “Z”com a espada no peito ou no rosto da vítima; o Coyote também tem a sua mania, e diga-se, bem peculiar. Ele dispara um tiro na orelha do inimigo. Dessa forma, aqueles que tiverem um ferimento a bala no ouvido ficam marcados como os infelizes que cruzaram o caminho do justiceiro e se deram mal.

Além de ser um pistoleiro muito rápido e com excelente pontaria, o Coyote é um cavaleiro experiente; mas sua principal arma é a inteligência com que manipula os seus oponentes, chegando ao ponto de fazer com que eles se matem por si próprios.
Acredito que aqueles que estiverem lendo esse post e que em sua adolescencia foram fãs incondicionais do Sr. Coyote tinham – ou ainda tem – uma curiosidade imensa em conhecer um pouco mais a fundo a vida do criador do personagem: José Mallorqui ou simplesmente J.Mallorqui. Pois é, encontrar material suficiente na Rede para conhecer à fundo a vida desse escritor espanhol é coisa para garimpeiro. Após fuçar em vários sites, quase nenhum deles em nossa língua pátria, descobri que a vida de Mallorqui não foi fácil, com o surgimento freqüente de um grande número de tragédias. 
Antes de vir ao mundo, ainda no ventre de sua mãe, Mallorqui já experimentava a sua primeira decepção. O seu pai  abandonaria  a sua mãe, Eulalia Mallorquí Figueroa, momentos antes da criança nascer. O pequeno Mallorqui foi, então, criado por sua avó Ramona que algum tempo depois o matriculou num internado dos Salesianos. 

Com professores excelentes que estimulavam, principalmente, a leitura em seus alunos internos, o futuro criador do “Coyote” adquiriu nesse ambiente o gosto pela escrita, passando a criar várias histórias que faziam a alegria de seus colegas de internato.

Ainda criança, perto de atingir a adolescência, o escritor receberia um novo golpe em sua vida; como ele mesmo escreveu anos mais tarde, em 1967: "Num dia foram procurar-me à saída do colégio e disseram-me que Ramona, minha avó, tinha morrido. Senti-me infinitamente só. E assim estive até que conheci à que hoje é minha mulher".

Além da língua nativa, Mallorqui falava fluentemente francês e inglês e trabalhou durante um bom tempo como tradutor em uma biblioteca espanhola. O trabalho de tradutor o animou a arriscar escrever os seus primeiros livros, nascendo assim, várias histórias de western para uma coleção da Editora Cliper, em Barcelona,  chamada “Novelas do Oeste”. Esse seria o início para o surgimento de sua maior criação:
“O Coyote”.  Fã incondicional do Zorro, Mallorqui teve a idéia de criar um personagem baseado naquele herói, e assim surgiria o nosso “bandolero”.

Como já disse, a série atingiu 192 títulos até 1953 e tornou o seu criador famoso em toda Espanha. Com o fim do legado do Coyote,  Mallorqui ainda tentou se aventurar em outros gêneros como ficção científica e terror, mas não deu certo, já que as obras lançadas se tornaram grandes fiascos.

A tragédia continuaria a rondar a vida do escritor espanhol quando na década de 60 acabou perdendo grande parte da audição. Alguns anos depois, para ser exato em 1967, sua mulher viria descobrir que estava com leucemia, morrendo poucos meses depois num leito de hospital.


http://2.bp.blogspot.com/-QT02vyT0wlg/TuAKa5VBS7I/AAAAAAAAAdk/joXHkDMmZds/s320/s_MLB_v_F_f_206206488_1278.jpg
No início de 1972, por causa de um grave problema nas costas, Mallorqui ficaria impossibilitado de continuar escrevendo, sendo obrigado a contratar uma secretária para escrever as suas histórias, enquanto as ditava. 

Muito depridmido por não ter mais a sua mulher, se suicidou na madrugada de 7 de novembro de 1972. O bilhete que deixou representava toda a sua angustia e solidão:: "Não posso mais. Mato-me. Na gaveta de minha mesa há cheques assinados", e assinou "Papai". E embaixo: "Perdão". 

 Cara! Quantas tragédias! Mas voltando a falar do Coyote, um detalhe que muitos fãs desconhecem é que o personagem também invadiu as telas dos cinemas. Isso mesmo! A obra de Mallorqui serviu de inspiração para cinco filmes entre cinema e TV. Os mais conhecidos foram dois. O primeiro deles, “O Coyote”, lançado  em 1955, sob a direção do espanhol Joaquim Luis Romero Marchent. O mesmo diretor produziria no ano seguinte “A Justiça do Coyote”. Os dois filmes tiveram um sucesso apenas razoável, curiosamente, não repetindo o grande sucesso dos livros de bolso.

Bem pessoal, depois dessa viagem no tempo, juro que bateu uma “saudade doída” dos meus livrinhos de bolso da Editora Monterrey com aquelas capas “chique nu úrtimo”. Esse pistoleiro mascarado realmente marcou grande parte da minha geração. Mas tudo passa... tudo passa... Sendo assim, só posso dizer: que pena.


Nenhum comentário:

CONFIRA AQUI OS LIVROS DE MINHA BIBLIOTECA FÍSICA

Cursos Online é Cursos 24 Horas

LIVROS RECOMENDADOS

  • ANÁLISES DE CONJUNTURA: Globalização e o Segundo Governo FHC - (José Eustáquio Diniz Alves /Fábio Faversani)
  • ARTE SACRA - BERÇO DA ARTE BRASILEIRA (EDUARDO ETZEL)
  • AS FORÇAS MORAIS - (José Ingenieros)
  • CONTOS - (Voltaire)
  • DICIONÁRIO DE FANADÊS - Carlos Mota
  • DOM QUIXOTE DE LA MANCHA - (Cervantes)
  • ESPLÊNDIDOS FRUTOS DE UMA BANDEIRA VENTUROSA - (Demósthenes César Jr./ Waldemar Cesar Santos)
  • EU E MARILYN MONROE & O OUTRO- CARLOS MOTA
  • FRAGMETOS - (Glac Coura)
  • HISTÓRIAS DA TERRA MINEIRA - (Prof. Carlos Góes)
  • http://www.strategosaristides.com/2010/12/cronicas-do-mato.html
  • IDAS E VINDAS - (Rosarinha Coelho)
  • MOSÁICO - (Glac Coura)
  • O CAMINHANTE - (José Transfiguração Figueirêdo)
  • O DIA EM QUE O CAPETA DESCEU NA CIDADE DE MINAS NOVAS - (João Grilo do Meio do Fanado)
  • O MITO DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO - (Celso Furtado)
  • O NOME DA ROSA - (Umberto Eco)
  • O PRÍNCIPE - (Maquiavel)
  • O SEGREDO É SER FELIZ - ROBERTO SHINYASHIKI

ORIGEM DOS ACESSOS PELO MUNDO

Arquivo do blog