sexta-feira, 29 de maio de 2009


DUVIGIE nº 003 - o hebdomadário do Povo de Minas Novas - geraldomotacoelho@gmail.com.

DUVIGIE
Nº 003 – 29-maio-2009

O Hebdomadário do povo de minas novas


O nosso informativo semanal, que apelidamos de DUVIGIE, o Hebdomadário do Povo de Minas Novas tem, como proposta, levar a todos informações sobre a comunidade da nossa velha e querida cidade, a antiga VILA DE NOSSA SENHORA DO BOM SUCESSO DAS MINAS NOVAS DO FANADO.
-
Tal iniciativa deriva do meu desejo de contribuir, de alguma forma, para que nossas tradições, nossos costumes e o nosso amor filial à terra que nos viu nascer, não sejam desprezados e simplesmente colocados no fundo de um velho baú, arquivando-se nas páginas amareladas do esquecimento os fatos que essas pessoas egoístas consideram como irrelevantes ou de nenhuma importância.
-
Acredito, sim, serem da mais alta importância tanto o culto ao passado como a preservação da memória histórica. Não vejo dissociáveis o progresso, com os benefícios da modernidade, da tecnologia e do conhecimento científico, com os esforços de se manterem, com critério e civismo, as nossas melhores tradições e nossos mais caros costumes, como cidadãos que residem numa das mais antigas comunas de todo o Estado de Minas Gerais.
-
O que não podemos admitir é que, em nome de interesses menores, a nossa história seja mostrada apenas nas páginas interessantes a um grupo, sendo omitidos fatos da maior importância para a nossa cultura, inclusive para que possamos conhecer as razões de nosso atraso em relação às demais cidades da região.
-
Temos visto, em tudo o que se tem publicado até aqui, sobre a história de Minas Novas, apenas dados positivos e favoráveis à história de um tempo dominado pelo coronelismo e pelo mando político de uma família que durante mais de cem anos dominou Minas Novas e, de resto, a maior parte do Vale do Jequitinhonha.
-
Veremos aqui que existe muito mais do que tudo isto: Nossa terra foi construída pelo esforço de muitos cidadãos de bens, muitos, inclusive, que sofreram na própria carne o preço de suas lideranças, de sua luta em favor do trabalho, da honestidade, do desejo de ver chegar em nossa terra o progresso, o desenvolvimento e paz social, para todos os moradores destas plagas fanadeiras, o que nem sempre era o desejo dos chefes políticos que não tinham esta luta como prioridade em seus projetos.
-
Temos na consciência a certeza de que existiram figuras de bem, também no meio daquelas famílias que eram chefiadas pelos coronéis opressores e mandões. Também lá existiam homens trabalhadores e caridosos, mas que não tiveram a competência ou o desejo de minimizar os efeitos danosos da política que representavam.
-
E temos, também, o registro histórico de fatos e de personagens que não podem continuar desconhecidos, que precisam ser mostrados como bons exemplos para a atual população, para poder criar na juventude o gosto pela história de nossa terra, tendo nestes personagens exemplos edificantes, pois muitos não os encontram nos ícones que continuam se impondo.
-
Sobre todos eles é que desejamos falar. Sobre os bons exemplos, sobre seus projetos, sobre o trabalho que cada um desenvolveu em benefício de nossa terra, sobre as lutas por eles travadas, sobre as dificuldades e sobre as injustiças que sofreram.
-
A história deve ser contada com fidelidade aos fatos, sem subterfúgios, sem omissões, para que sejam conhecidas as vitórias e as derrotas e, a partir do conhecimento destas, procurar-se corrigir os rumos e estabelecer-se, no presente, as novas bases para uma arrancada segura em direção ao futuro.
-
A história é a descrição de fatos. O que ela relata são os feitos que devem ser creditados ou debitados a algum ator daquele momento histórico.
-
Como ciência, que de fato é, a história é benéfica à cultura, à ciência, à economia e, portanto, seus efeitos são importantíssimos para a vida social, comunitária e para o desenvolvimento sustentável do progresso em todos os sentidos.
-
Não podemos temer a história, a não ser que nela tenhamos o que esconder.
-
No desenrolar da história, como ciência, como atividade de estudo, de pesquisas e de busca de conhecimento, os fatos podem e devem ser investigados, ser conferidos e ter suas fontes averiguadas e confirmadas. São estes os caminhos da história, cujo objetivo, porém, será sempre a verdade e a vontade de se fazer dela uma plataforma para a retomada de caminhos em direção dos benefícios que o povo tanto deseja e tanto merece.

"Deus é Amor" (Jo 4,8-16) e o Amor que é o primeiro Dom, contém todos os demais. Este amor "Deus o derramou em nossos corações pelo Espírito Santo que nos foi dado" (Rm 5,5).

Hoje o "DIVIGIE" tem compromisso absoluto com uma das mais lindas tradições da cidade de Minas Novas, a antiga Vila do Fanado.

O próximo domingo, 31 de maio, é o


DIA DE PENTECOSTES,


Festa do Divino Espírito Santo.

Quem é o Espírito Santo?

Segundo o Catecismo da Igreja Católica, o Espírito Santo é a

"Terceira Pessoa da Santíssima Trindade".

Quer dizer, havendo um só Deus, existem nele três pessoas diferentes: Pai, Filho e Espírito Santo.

Esta verdade foi revelada por Jesus em seu Evangelho.


O Espírito Santo coopera com o Pai e o Filho desde o começo da história até sua consumação, quando o Espírito se revela e nos é dado, quando é reconhecido e acolhido como pessoa. O Senhor Jesus no-lo apresenta e se refere a Ele não como uma potência impessoal, mas como uma Pessoa diferente, com seu próprio atuar e um caráter pessoal.

O Divino Espírito Santo, para os Cristãos, é a Terceira Pessoa da Santíssima Trindade e a Igreja Católica comemora solenemente esta data dedicando-lhe liturgia festiva e especial, devido a seu significado de representar a Inteligência, o Poder Divino da Sabedoria e a Fonte de todos os Dons concedidos às criaturas através da Manifestação de Deus.

O culto sagrado ao Divino, nos moldes que são conservados em algumas das antigas dioceses do interior do Brasil, tem origem dos costumes portugueses, mais precisamente vindos das Ilhas dos Açores, onde ainda hoje representa uma forte tradição.


Segundo esta tradição, o Divino é representado pelo Santo Paráclito de Deus, ou seja, o Advogado dos Cristãos. É o Santo Paráclito o nosso Divino Defensor contra as tentativas de sedução por parte dos espíritos malignos que rondam o mundo.

Em Minas Novas a Festa de Pentecostes segue fielmente os antigos padrões que foram introduzidos pelo Cônego José Pacífico Peregrino, fundador da Irmandade do Santíssimo Sacramento e que tinha, como missão, preparar a

Paróquia de São Pedro do Fanado para sediar a Sé Episcopal do Jequitinhonha, o que foi inviabilizado, no final do século 19, inícios do século 20, em virtude de desavenças que se verificaram, nesta época, entre o clero e o chefe político da cidade.

Já não existe mais o Império do Divino, que era uma rica organização mantida pela Irmandade do Santíssimo e nem esta, como entidade religiosa, continua existindo com esplendor e poder que detinha antigamente.


Contudo, os festejos de Pentecostes, em Minas Novas, ainda podem ser considerados como um dos mais autênticos e livres das influências de modernização que se verificam em outras cidades históricas onde o ritual tem sido influenciado por costumes alheios à tradição.


Até bem pouco tempo todos os Irmãos do Santíssimo Sacramento tinham a obrigação de organizar a Semana Santa, a Festa de Santa Cruz e a Festa do Divino, além de vários compromissos com a Irmandade, como o de se dedicar à "Adoração Perpétua", a de arrecadar espórtulas para "A Cera e o Azeite para a Lâmpada", a da"Vigília do Sacrário", o "Zelo da Igreja Matriz" e o cultivo de "Rosas Vermelhas destinadas ao adorno do Altar".

No cumprimento destas obrigações, porém, alguns irmãos se destacavam, a exemplo de "sêo" Zezinho Fernandes, Luiz Gonzaga Gomes Leite, Mestre José Gomes da Silva, Gentil Fernandes dos Santos, Domingos Mota, Chiquinho Camargos, Mestre Frederico Roxo, Durval Coelho, Lucas Domingos do Espírito Santo, Miguel Mendes da Silva, Levy Maria de São Geraldo e José Maria de Araujo.

DIVINO DE MINAS NOVAS

(Artesanato - Trabalho de Estefânia Mota Coelho Zica)

O Espírito Santo

Dons, Frutos e Carismas do Espírito Santo.

Entenda um pouco mais.


Dons do Espírito Santo
São 7, inspirados em Isaías 11,2:
1. Sabedoria
2. Inteligência / Entendimento
3. Conselho
4. Fortaleza
5. Ciência
6. Piedade
7. Temor a Deus

EXPLICANDO OS 7 DONS OU CARISMAS


DO ESPÍRITO SANTO:


1) Saberia: Ela nos leva ao verdadeiro conhecimento de Deus e a buscar os reais valores da vida. O homem sábio e a mulher sábia é aquele(a) que pratica a justiça, tem um coração misericordioso, ama intensamente a vida, porque a vida vem de Deus.

2) Inteligência:Este dom nos leva a entender e a compreender as verdades da salvação, reveladas na Sagrada Escritura e nos ensinamentos da Igreja.
Ex. Deus é Pai de todos; em Jesus, Filho de Deus, somos irmãos ...

3) Ciência: A capacidade de descobrir, inventar, recriar formas, maneiras para salvar o ser humano e a natureza. Suscita atitudes de participação, de luta e de ousadia, frente à cultura da morte.

4) Conselho :É o dom de orientar e ajudar a quem precisa. Ele permite dialogar fraternalmente, em família e comunidade, acolhendo o diferente que vive em nosso meio. Este dom capacita a animar os desanimados, a fazer sorrir os que sofrem, a unir os separados ...

5) Fortaleza: É o dom de tornar as pessoas fortes, corajosas para enfrentar as dificuldades da fé e da vida. Ajuda aos jovens a ter esperança no futuro, aos pais assumirem com alegria seus deveres, às lideranças a perseverarem na conquista de uma sociedade mais fraterna.

6) Piedade: É o dom da intimidade e da mística. Coloca-nos numa atitude de filhos buscando um dialogo profundo e íntimo com Deus. Acende o fogo do amor: amor a Deus e amor aos irmãos.

7) Temor de Deus: Este dom nos dá a consciência de quanto Deus nos ama. "Ele nos amou antes de tudo". Por isso, precisamos corresponder a este amor.


Frutos do Espírito Santo:

São 12 e inspirados em Gál 5,22-23


1. Caridade
2. Alegria
3. Paz
4. Paciência
5. Longanimidade
6. Bondade
7. Benignidade
8. Mansidão
9. Fidelidade
10. Modéstia
11. Continência
12. Castidade



Carismas do Espírito Santo
(Dons Extraordinários)
Baseado em 1 Cor 12,6-11.28-30
1. Dom de línguas (orar e falar)
2. Dom de interpretação das línguas
3. Dom de ciências (ou palavra de ciência, ou palavra de conhecimento)
4. Dom da profecia
5. Dom de sabedoria (ou palavra de sabedoria)
6. Dom de cura
7. Dom da fé
8. Dom dos milagres
9. Dom dos discernimentos dos espíritos


A FESTA DO DIVINO ESPÍRITO SANTO, EM MINAS NOVAS, NESTE ANO ESTÁ A CARGO DO IMPERADOR "FARIAS", NETO DO SR. LEVY MARIA DE SÃO GERALDO, CUMPRINDO PROMESSA RELIGIOSA EM HOMENAGEM ÀQUELE GRANDE ZELADOR E INCENTIVADOR DA IRMANDADE DO SANTÍSSIMO SACRAMENTO.

LEVY MARIA DE SÃO GERALDO

(Um Servo de Jesus!)

"Sêo" Levi, como era carinhosamente conhecido por todos da região, foi um cidadão exemplar, uma pessoa íntegra, trabalhadora e muito respeitada pela população em razão de seus vários DONS que, através de sua fé e de sua dedicação à Igreja, foram-lhe concedidos pela Grandeza de Deus, através do Divino Espírito Santo.

Na condição de um dos líderes da Irmandade do Santíssimo Sacramento, era LEVI MARIA DE SÃO GERALDO uma figura carismática que se destacava em todos os setores religiosos de nossa paróquia, sempre ouvido e respeitado em suas intervenções, não só pelo seu conhecimento da liturgia, da catequese e da evangelização, mas pelo seu exemplo de fidelidade, piedade, disponibilidade, humildade, paciência e, acima de tudo, SOLIDARIEDADE.

Homem de origem simples mas que foi forjado pelos princípios morais ditados pela Igreja Católica, jamais se arredou dos ensinamentos de Cristo, mesmo diante das mais sérias adversidades que a vida de uma pessoa honesta pode ser testada, em momentos de tormenta e de provação. Sempre teve como verdadeiro compromisso a sua dedicação à Igreja e à Irmandade, não deixando, porém, em segundo plano o seu primeiro compromisso que sempre foi o de se dedicar à família, com zelo, carinho, segurança e invejável amor.

"Sêo" Levi é uma dessas pessoas cuja vida foi, de fato, privilegiada pela LUZ DO DIVINO ESPÍRITO SANTO e sua lembrança será eternamente lembrada em todos os momentos em que levantarmos os olhos em direção ao Santíssimo Sacramento exposto em seu Altar ou na sua Custódia.

É bem certo que, se houvesse em nossa comunidade vários pais de família, vários cristãos, vários homens honestos, caridosos, educadores e respeitáveis como o saudoso LEVY, nossa Minas Novas estaria hoje em melhores condições de se morar e se viver.

Nesta FESTA DO DIVINO, prestemos a esse grande minas-novense as nossas mais justas e sinceras homenagens.

geraldo mota
http://geraldomotacoelho.blogspot.com/

Clique com o ponteiro de seu mouse na seta acima e assista no vídeo a procissão do Divino Espírito Santo, na cidade histórica de Pirenópolis (GO), cujas tradições centenárias muito se assemelham com as de Minas Novas

Um comentário:

NaBuNa Scrap disse...

OI amigo,
Andando pelos blogs da vida achei um nome já conhecido dos meus ouvidos ... O seu ... quando entrei em seu blog tive certeza que vc era da terrinha dos meus pais rs ... Sou neta de seo Levy, filha de Erminda e Pedro.
Lendo seu blog me deparei com uma homenagem ao meu avô. Linda me emocionei, apesar se não lembrar muito dele, mas o pouco que eu sei dele é o que minha mãe conta. E nem preciso falar que sim ele era maravilhoso ...
Muito obrigada por lembrar de nossos entes que já se foram ...
Um grande abraço DIANA

CONFIRA AQUI OS LIVROS DE MINHA BIBLIOTECA FÍSICA

Cursos Online é Cursos 24 Horas

LIVROS RECOMENDADOS

  • ANÁLISES DE CONJUNTURA: Globalização e o Segundo Governo FHC - (José Eustáquio Diniz Alves /Fábio Faversani)
  • ARTE SACRA - BERÇO DA ARTE BRASILEIRA (EDUARDO ETZEL)
  • AS FORÇAS MORAIS - (José Ingenieros)
  • CONTOS - (Voltaire)
  • DICIONÁRIO DE FANADÊS - Carlos Mota
  • DOM QUIXOTE DE LA MANCHA - (Cervantes)
  • ESPLÊNDIDOS FRUTOS DE UMA BANDEIRA VENTUROSA - (Demósthenes César Jr./ Waldemar Cesar Santos)
  • EU E MARILYN MONROE & O OUTRO- CARLOS MOTA
  • FRAGMETOS - (Glac Coura)
  • HISTÓRIAS DA TERRA MINEIRA - (Prof. Carlos Góes)
  • http://www.strategosaristides.com/2010/12/cronicas-do-mato.html
  • IDAS E VINDAS - (Rosarinha Coelho)
  • MOSÁICO - (Glac Coura)
  • O CAMINHANTE - (José Transfiguração Figueirêdo)
  • O DIA EM QUE O CAPETA DESCEU NA CIDADE DE MINAS NOVAS - (João Grilo do Meio do Fanado)
  • O MITO DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO - (Celso Furtado)
  • O NOME DA ROSA - (Umberto Eco)
  • O PRÍNCIPE - (Maquiavel)
  • O SEGREDO É SER FELIZ - ROBERTO SHINYASHIKI

ORIGEM DOS ACESSOS PELO MUNDO

Arquivo do blog